AE Negócios Internacionais inicia exportação de castanha de caju para o mercado árabe

Comex do Brasil

A AE Negócios Internacionais vai exportar castanha-de-caju para o Oriente Médio. A empresa de Natal, capital do Rio Grande do Norte, deve embarcar em algumas semanas um contêiner com o produto para o Kuwait e receberá em março no Brasil um importador dos Emirados Árabes Unidos para negociar também castanhas-de-caju, segundo informações de uma das sócias, Amanda Lopes (foto acima). O negócio com o Kuwait está nos trâmites finais.

A AE Negócios Internacionais é uma empresa de representação comercial com foco no mercado exterior na área de alimentos e bebidas. De propriedade de Amanda Lopes e Cibelle Bastos, ela intermedia negócios de exportação de produtos da região na qual tem sede, tais como tapioca, castanha-de-caju, cajuína (suco de caju), frutas in natura, açaí e outros. O objetivo é levar ao exterior alimentos e bebidas produzidos no Rio Grande do Norte e em seus estados próximos.

As portas do mercado árabe começaram a ser abertas recentemente, depois que a AE Negócios Internacionais participou, em dezembro do ano passado, como expositora da Sial Middle East, feira de alimentos em Abu Dhabi, nos Emirados. Além da primeira venda para o Kuwait citada acima e da visita agendada de uma trading dos Emirados ao Brasil, a AE passou a ter, depois da Sial, uma pessoa para divulgar a tapioca e o açaí junto a importadores nos Emirados.

Esta foi  a primeira vez da empresa como expositora em uma feira em país árabe. A AE esteve na Sial Middle East em espaço organizado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Amanda conta que as conversas em Abu Dhabi indicaram que há muita demanda para a castanha-de-caju e produtos similares na região em função do alto consumo local. Segundo ela, o produto é comprado pelos árabes do Vietnã e da África, mas a qualidade da castanha brasileira é superior e por isso há demanda mesmo com preço maior.

Já o açaí e a tapioca precisam de divulgação junto ao mercado árabe, percebe a empresária. “Alguns produtos com os quais a gente trabalha, como a tapioca e o açaí, são novos para eles, é necessário fazer ações de marketing”, afirma Amanda. Na Sial, além de ter encontrado uma pessoa para fazer a divulgação nos Emirados, a AE fez uma venda de tapioca e açaí para a Índia, também com o compromisso de divulgação dos produtos no país pelo importador.

A AE Negócios Internacionais comercializa a massa de tapioca, mas também a tapioca express, em discos prontos para o consumo, necessitando apenas de uma passagem pelo micro-ondas para ser servida. O produto, que é da marca Da Terra, ficou entre os finalistas do Sial Innovation, prêmio de inovação da Sial Middle East. Amanda afirma que pretende expor novamente na feira de Abu Dhabi.

Os alimentos comercializados pela empresa potiguar também foram apresentados por uma expositora parceira na Gulfood, feira de alimentos que ocorreu neste mês de fevereiro em Dubai, nos Emirados. De acordo com a empresária Amanda, houve interesse de um importador em adquirir a cajuína comercializada pela AE.