Brasil em festa pela independência

Desfiles e paradas são celebradas ao longo do país

Raquel Pires

Nas principais capitais, desfiles militares lembraram o 07 de setembro de 1822, data em que o país conquistou a autonomia de Portugal. Em Brasília, autoridades militares, civis, incluindo o presidente Michel Temer e a Primeira Dama Marcela Temer assistiram ao desfile militar na Esplanada dos Ministérios.

O presidente Michel Temer ao lado da primeira-dama Marcela Temer e do filho Michelzinho e outras autoridades, acompanha o desfile na Esplanada dos Ministérios - Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
O presidente Michel Temer ao lado da primeira-dama Marcela Temer e do filho Michelzinho e outras autoridades, acompanha o desfile na Esplanada dos Ministérios – Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Iniciado às 9h da manhã, o desfile contou com a estudantes de escolas públicas do Distrito Federal, apresentação do Exército, Força Aérea Brasileira, Marinha do Brasil, Força Nacional de Segurança, Corpo de Bombeiros Militar e Policia Militar. Temer foi recebido pelo governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, e pelo ministro da Defesa, general Joaquim Silva e Luna. Também estiveram presentes diversos ministros.

O desfile teve como tema a mensagem: “Celebre a história da nossa independência”, que trouxe homenagens a importantes nomes da história do Brasil, como Dom Pedro I, José Bonifácio, Maria Quitéria, Tiradentes, Santos Dumont, entre outros.

A Pirâmide Humana do Batalhão de Polícia do Exército de Brasília foi uma das atrações mais celebradas juntamente com a apresentação da Esquadrilha da Fumaça que fez 25 minutos, de acrobacias aéreas.

Além da capital federal, capitais como Belém, Goiânia, Minas Gerais, Pernambuco, Paraíba, Rio de Janeiro, Salvador, São Paulo entre outras também receberam desfiles cívicos-militares celebrando os 196 anos de independência.

História – A proclamação foi feita por Dom Pedro I às margens do riacho do Ipiranga em São Paulo. Na época, Dom Pedro I vinha sofrendo pressões da Coroa Portuguesa há muito tempo, que desejava recolonizar o Brasil. Além disso, a sociedade reclamava do sistema de controle econômico, com restrições e altos impostos, exercido pela Coroa Portuguesa no Brasil.

Dom Pedro I não acatou as determinações feitas pela Coroa Portuguesa, que exigia seu retorno para Portugal, e em 9 de janeiro de 1822, negou ao chamado e afirmou que ficaria no Brasil. Esse dia ficou conhecido como o Dia do Fico, e logo após, o imperador uma série de medidas com o objetivo de preparar o país para o processo de independência. Entre essas medidas estavam:

– Organização da Marinha de Guerra;

– Convocação de Assembleia Constituinte;

– Retorno das tropas portuguesas;

– Exigência de que todas as medidas tomadas pela Coroa Portuguesa deveriam, antes de entrar em vigor no Brasil, ter a aprovação de Dom Pedro I;

– Visitas entre São Paulo e Minas Gerais para acalmar os ânimos, principalmente entre a população, que estava exaltada em várias regiões do país.

Ao viajar de Santos para São Paulo, D. Pedro recebeu uma carta da Coroa Portuguesa que exigia seu retorno imediato para Portugal e anulava a Constituinte. Diante desta situação, Dok Pedro decidiu, às margens do riacho Ipiranga, declara a independência do país declarando “independência ou morte”.