Brasil como principal fornecedor de veículos para América Latina

 Ana Cristina Dib

A nova política industrial para o setor automotivo, o programa Rota 2030, foi destacada na manhã desta terça-feira para empresários do setor. O ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Jorge de Lima, participou de cerimônia, em São Paulo, em comemoração à produção de 1 milhão de carros pela fábrica da Hyundai em Piracicaba.

O ministro ressaltou que a elaboração do programa foi liderada pelo MDIC, mas contou com apoio das montadoras, dos engenheiros automotivos, dos fabricantes de autopeças, dos importadores, dos trabalhadores, dos revendedores e de diversos outros órgãos do governo federal.  “É uma política industrial moderna, pensada não apenas para o desenvolvimento dos elos da cadeia, mas também focada em garantir ganhos para toda a sociedade brasileira”, disse.

Segundo o ministro, o Rota 2030 prevê que os veículos comercializados no Brasil serão mais eficientes e mais seguros. “Isso quer dizer, em última instância, que haverá menos emissão de gases poluentes, menos acidentes e mortes. O cidadão brasileiro merece ter acesso a veículos cada vez mais seguros, modernos e com mais tecnologias embarcadas. O Brasil pode se consolidar como o principal fornecedor de veículos para toda a América Latina”, ressaltou Marcos Jorge.

Empregos

O ministro disse ainda que o setor automotivo é um importante pilar da economia brasileira. “Nós do governo federal também comemoramos o grande número de empregos gerados pelo funcionamento das empresas do setor, o que promove o desenvolvimento econômico e social brasileiro. Só em Piracicaba, a instalação da fábrica da empresa sul-coreana incentivou a criação de um polo automotivo que gera cerca de 5 mil empregos diretos e 20 mil indiretos. Essa cadeia produtiva é responsável por mais de 1,6 milhão de empregos.”

Além do ministro, participaram da cerimônia o presidente da Hyundai Motor Brasil, Eduardo Jin, o cônsul-geral da Coreia do Sul em São Paulo, Hak You Kim, o prefeito de Piracicaba, Barjas Negri, e o presidente da Invest São Paulo, Marcos Monteiro.