Embaixatrizes africanas recebem prêmio

Súsan Faria

Fotos: Eliane Loin

Premio1Em algumas regiões de Angola, as mulheres ocupam mais de 50% dos cargos do legislativo e do executivo. A informação foi da embaixatriz de Angola no Brasil, Neogilda Cosme, que recebeu nessa segunda-feira (27) o Prêmio Neide Castanha de Direitos Humanos de Crianças e Adolescente, acompanhada de outras embaixatrizes africanas. Foram 14 mulheres premiadas. A cerimônia de entrega foi na Câmara Legislativa do Distrito Federal, durante a audiência pública “Questão de Gênero e o empoderamento da mulher negra”.

De acordo com Neogilda, há atualmente um empoderamento importante das mulheres em Angola. “A questão de gênero melhorou no país, também fruto de acordos para melhores condições de vida das mulheres, como os realizados pela União Africana”, disse. Segundo a embaixatriz, além de Angola, em Ruanda e Cabo Verde as mulheres estão bem situadas no parlamento e no executivo. Já a Presidente do Grupo de Conjugues de Chefes de Missão, embaixatriz Julie Pascale, lembrou que no país dela, o Gabão, assim como no Brasil, há violência, mas que a “mulher tem a força do mundo”.

Premio10As embaixatrizes, Eugênia Pereira Saldanha, da Guiné Bissau; Bernadette Sebage, da Botsuana; Laura MBeng, de Camarões; Violeta Lubisse, de Moçambique; eToyin Zainab, da Nigéria, também receberam o prêmio, uma boneca negra artesanal de pano.

Premio6

Empreendedoras – A ministra dos Direitos Humanos, Luisinda Valois, baiana, desembargadora e primeira juíza negra no Brasil, lembrou que as mulheres negras ao preparar e vender quitutes nas ruas de Minas Gerais foram as primeiras empreendedoras do Brasil. Destacou que a mulher negra é a mais sofrida pelos assédios moral e sexual. “É a que mais traficada, a que lota e superlota as cadeias, muitas vezes sem culpa, por ser obrigada a carregar drogas. Dói muito entrar nas cadeias e ver tanta preta dentro delas”, comentou.

O deputado Ivonildo Medeiros com as homenageadas
O deputado Ivonildo Medeiros com as homenageadas

A audiência pública foi requerida pelo deputado distrital e jornalista Ivonildo Lira Antônio de Medeiros (PHS). Na opinião do parlamentar, é necessário discutir estratégias de apoio às mulheres e o enfrentamento da violência que elas sofrem. O deputado entende que apesar das muitas vitórias dos movimentos sociais, sobretudo dos movimentos feministas e dos negros, nas longas trajetórias de lutas, há muito a ser feito para consolidar e ampliar essas conquistas. “No Brasil há posturas racistas e sexistas. Precisamos unir forças para mudar essa realidade”, disse.

Premio26As homenageadas – Além das embaixatrizes negras, a delegada de polícia Gláucia Cristina da Silva; a presidente dos Laboratórios Sabin, Lídia Abdala; a Subtenente da PM, Jucilene Garcês; a jornalista Juliana Lopes, do SBT; Raimunda Pereira, das Mulheres de Terreiro; Vera Verônica, do Movimento Rapper do DF; e dirigentes da Ordem dos Advogados do DF, entre outras mulheres, receberam o prêmio. Na oportunidade, Sandra Martin, dos Quilombolas de Goiás, outra homenageada, pediu atenção para as mulheres de rua, especialmente as refugiadas em Aparecida de Goiânia, “refugiadas de todos os tipos, de guerra e da fome”.

Mariana de Mendonça, de 17 anos, da Juventude Negra, também homenageada, contou que aprendeu a ser negra, a dar valor a si mesma. “Entro na escola com saia longa e turbante. Acho bonito. Sou de axé, sou livre”, disse. Durante a audiência pública “Questão de Gênero e o empoderamento da mulher negra”, foram recitados poemas e ao final o grupo de capoeira “Chibata” tocou, cantou e dançou.

NeidePrêmio Neide Castanha – É uma condecoração a personalidades e instituições que se destacaram na defesa intransigente dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes, em especial dos Direitos Sexuais. O prêmio homenageia a assistente social Neide Castanha, reconhecida por haver dedicado parte de sua vida à luta contra a violência infanto-juvenil.  A premiação é realizada pelo Comitê Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes.

Mineira, Neide Castanha morreu em 26 de janeiro de 2010, vítima de câncer. Participou ativamente do processo de construção do Estatuto da Criança e do Adolescente e da criação do Plano Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes.  Foi membro técnico da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI), que pesquisou redes de exploração sexual de crianças e adolescentes no Brasil.

Premio9Premio32Premio8
Premio13Premio15Premio18

Premio20Premio23Premio24Premio25PremioPremio2Premio10 Premio11Premio14Premio16