Empoderamento feminino nas Nações Unidas

Representantes da Associação de Mulheres de Negócios e Profissionais, BPW, participam de reunião na ONU, em Nova Iorque .

Liz Lôbo

Camila1A master coach Camila Ribeiro, coordenadora da BPW Jovem em Brasília e vice-coordenadora da BPW Jovem Brasil e na América Latina é uma das selecionadas para estar no próximo encontro da Comissão sobre o Status da Mulher, que acontece de 11 a 22 de março, na capital americana. Camila vai participar com o status de delegada no evento que, há 63 anos, tem lugar nas Nações Unidas.

A master Coach é voluntária na associação há três anos e decidiu vestir a camisa da BPW Internacional, ONG Feminina presente em mais de 100 países, nos cinco continentes. Camila tem ideias arrojadas, é agregadora e tem uma vontade enorme de conquistar uma fatia do mundo, a oportunidade de representar sua organização. Ela estará entre as cinco jovens, selecionadas pela organização, uma de cada região do mundo.

Camila2“O simples fato de estar na ONU, se torna algo relevante para o empoderamento das mulheres que lá estão. Mas, o mais importante é garantir esta parceria do Brasil e da BPW no compromisso de contribuir para a promoção da autonomia feminina, como ainda influenciar políticas globais de equidade e de desenvolvimento das mulheres”, acredita Camila.

Essa será a primeira vez que uma jovem da BPW Brasília consegue o status de delegada na ONU, por meio da BPW Internacional, e isso é fruto de um trabalho que vem sendo desenvolvido ao longo dos dois últimos anos, pela “Changemaker”, isso mesmo a que faz a mudança, e com isso as coisas acontecem.

Camila3Camila Ribeiro é diretora fundadora da empresa TransformAction e sua maior paixão hoje é o  Comunica Essência, um projeto que engloba sua expertise em desenvolvimento humano e habilidades de comunicação, para apoiar  pessoas e negócios em processos de linguagem consigo mesmo e com o mundo para potencializar seus resultados.

A reunião da Comissão sobre o Status da Mulher ocorre anualmente e é dedicada a assegurar a equidade de gênero e a promoção dos direitos das mulheres, este ano, os temas prioritários são os sistemas de proteção social, o acesso a serviços públicos e a infraestrutura sustentável para a igualdade de gênero e o empoderamento de mulheres e meninas. O principal papel da CSW é o de preparar recomendações e relatórios para o Conselho Econômico e Social (ECOSOC) na promoção dos direitos das mulheres nos campos político, econômico, civil, social e educacional. E ainda, desenvolver recomendações sobre problemas urgentes que requeiram atenção imediata.