Exposição ucraniana lembra o horror da fome

UcrâniaEmbaixador  Rostyslav Tronenko inaugurou  a exposição  Ucrânia 1932-1933: Genocídio pela Fome.

A mostra foi aberta no dia a 9 de maio, no Senado Federal. A informação colocada em 15 painéis descreve o extermínio por fome, programado pelo regime soviético stalinista, conta o contexto histórico e as consequências de política deliberada, que matou mais de 7 milhões de ucranianos.

Ucrânia3O Embaixador afirmou que o extermínio de pessoas inocentes só foi possível devido à política de terror do regime soviético. Ele também apontouo tamanho de repressão como resultado de pouca divulgação da tragédia no mundo.

A mostra no Senado é uma iniciativa do Embaixador da Ucrânia no Brasil e Senador Alvaro Dias. No seu discurso o Embaixador destaco também a postura do Senador, que no ano 2008 visitou à Ucrânia como representante do Congresso Nacional para participar nas solenidades que marcaram os 75 anos do Holodomor.

Ucrânia4O objetivo da exposição, preparada pela Embaixada da Ucrânia no Brasil junto com Instituto Ucraniano de Memoria Nacional, é relembrar a tragédia do Holodomor e também levar mais informações sobre o acontecimento à sociedade brasileira. O Embaixador da Ucrânia expressou sua expectativa que o Congresso Nacional reconheça o Holodomor como Genocídio do Povo Ucraniano.

Seu apoio para esta causa expressaram o Senador José Medeiros (Pode-MT) e Presidente do Grupo parlamentar «Brasil-Ucrania» Deputado Federal Claudio Cajado (PP-BA), presentes na inauguração. A importância deste evento para que esse tragedia sempre seja lembrada destacaram os Embaixadores de Alemanha e de Geórgia, Encarregado de negócios de Japão, diplomatas de Azerbaijão, Cuba, Irã, Países Baixos, Peru e Suíça.

A comunidade ucraniana que conta com mais de 1 milhão de descendentes espalhados por todo o Brasil, foi representada pelo Consul Honorário da Ucrânia em Sao Paolo, Vice-Presidente da Representação Central Ucraíno-Brasileira Jorge Rybka.A mostra no Senado Galeria, pela qual diariamente transitam como mínimo 6 mil pessoas, fica aberta à visitação do público até 18 de maio.

Ucrânia1