MAPA anuncia negociação de carne bovina do Acre para o Peru

Comex do Brasil

Em viagem ao Acre, onde foi acompanhar o início da primeira colheita de soja no estado, a ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) informou que está negociando junto ao governo do Peru a abertura do mercado daquele país para a carne brasileira, principalmente a produzida no Norte do país.

Ela disse que não faz sentido o Peru comprar carne de países distantes, como Austrália e Estados Unidos, e estar com o mercado fechado para a produção de excelente qualidade do Brasil. A ministra convidou o governador do Acre, Gladson Cameli, a acompanhá-la em viagem ao Peru, juntamente com uma comitiva de produtores acreanos, para negociar a abertura do mercado.

“Nós já estamos bem encaminhados”, disse Tereza Cristina, em relação às negociações com o governo peruano. “Vamos ter uma missão, em breve, para o Peru para abrir o mercado de carnes. A gente sabe que vocês (do Acre) têm um potencial enorme na pecuária, e o Peru importa carne da Austrália. Olha a distância! Eles estão lá do outro lado do mundo e nós temos aqui carne de qualidade. O governador nos acompanhará para mostrar tudo que vocês têm de bom aqui”.

A ministra visitou a primeira plantação de soja da Fazenda Mariana, nos arredores de Rio Branco, a capital do estado, e ficou satisfeita ao conversar com a produtora rural Fátima Maciel, integrante do Sindicato dos Trabalhadores Rurais do estado. Fátima contou à ministra que tinha medo de plantar soja, porque diziam a ela que o produto deixava os solos inférteis. Mas ela finalmente teve acesso à cultura e se surpreendeu positivamente. “O solo é adubado pela palha da soja e continua fértil. A palha funciona como adubo”, disse a trabalhadora. “Ouvir esse depoimento já valeu a minha viagem”, respondeu a ministra.

Produção com sustentabilidade

Tereza Cristina disse esperar que a produção de soja aumente a cada ano no Acre, com responsabilidade ambiental. Nesta primeira safra, o estado plantou 500 hectares com soja. “Se Deus quiser, ano que vem eu venho aqui e já vai ter mil, dois mil hectares. E isso sem comprometer o meio ambiente, fazendo isso com sustentabilidade. Nós temos como fazer, nós temos tecnologia hoje para isso. O Brasil é campeão em tecnologia na agricultura tropical, só ele tem, e precisamos exportar nossa tecnologia”, afirmou a ministra.

A ministra disse que vai tentar resolver um problema que aflige os produtores do Acre, a dificuldade de transportar cargas até a Bolívia. “É uma insensatez que os caminhões tenham de andar 3 mil quilômetros para levar carne a um país tão próximo. Isso tira toda a margem (de lucro) do empresário que está produzindo aqui, o problema da passagem é um absurdo. Então vamos sentar e endurecer um pouquinho esse jogo para ver se conseguimos que toda a carne que vai para a Bolívia não tenha de dar essa volta, porque isso é mortal”.

Tereza Cristina disse também que “o Ministério da Agricultura está aberto para todos aqueles que querem empreender”. Segundo ela, é preciso “desburocratizar muita coisa” e tornar os processos mais simples e menos demorados. “Simplificar processos não quer dizer que não vamos cumprir lei. Nós vamos cumprir sim, mas não podemos deixar coisas que podem ser resolvidas rapidamente levem anos de gaveta em gaveta, deixando o empresariado esperando para investir”.